07/02/2013

O amor é doce



Você acha que encontrou a pessoa certa e finalmente abre o seu coração para uma aventura. Daí você vive algo especial, lindo, doce... Doce, mas tão doce, que deixou 90% dos seus dentes com cárie. E você gosta da ideia de ter sido marcante, mesmo que seja por algo que te faça mal. Mas, mesmo assim, foi doce!

Passado algum tempo, a adrenalina da aventura também passada, você percebe que verdadeiramente aquilo te faz mal. As lembranças, o cheiro, o toque, a voz, o rosto... Tudo daquela aventura permanece em você, e isso também te faz mal. Você decide então se livrar, esquecer, fazer o tratamento necessário para que tudo volte a ser normal outra vez, da mesma forma que era bem antes da burrada de abrir o coração...


... Hunf... Mas não dá! Quando o amor chega ele arrebata seus desejos, seu autocontrole, suas emoções, sua vontade própria. Quando se ama você entrega a si e tudo de si para a outra pessoa. É arriscado. Irracional até. Porém doce.

Então a ficha cai. Você decide fechar a porta do seu coração de uma vez por todas para aquela aventura. Tranca a frente com cinco cadeados pequenos e joga todas as chaves fora. Olha pro lado e percebe que a janela continua aberta. E você a deixa assim. Se a aventura perceber que a porta está fechada e quiser algo verdadeiro ela vai passa por lá. Aí sim, você entrega tudo de si. Aí sim, enfim, será doce.

Hoje eu não acordei normal! Esses últimos dias tenho vivido tantas coisas loucas, inimagináveis, confusas, enfim... Saiu isso. Essa publicação é uma mistura de pensamentos e textos que li por aí e de amigos meus, além de situações que presenciei - direta e indiretamente. Espero que tenham compaixão de mim entendendo tudo, rs. Até a próxima!!!

4 comentários:

Bruna Bianconi disse...

Que texto bonito! Doce de ler e de sentir :)
Sempre fui muito assim com o amor, de me entregar. Mas cheguei nesse momento de fechar a porta e mesmo quando alguém decide entrar demoro um pouco mais pra me entregar, mas acontece afinal vai ser sempre assim.

Sobre o seu comentário no meu texto, eu entendi exatamente o que você quis dizer, mas como você disse acho que quem é intimo sabe o que Deus quer, como quer e tudo mais, por isso fica fácil. O meu "medo" em relação a isso, são pessoas que tem um relacionamento baseado apenas na religião e às vezes acham que sabem o que Deus quer, mas nem sempre é assim...
Mas são riscos da vida, contanto que o coração seja sincero, que a fé seja grande e a intimidade cultivada, a gente entende Ele e Ele a gente (:

Tânia disse...

Uma vez lguém me disse que o amor pode ser representado por "duas pessoas esticando um elástico, porque se uma desiste, machuca a outra"!
E quando paro pra pensar, vejo que é mesmo bem assim...
O duro é quando somos os únicos a nos esforçar, mesmo machucados, magoados, continuamos "segurando as pontas" e o outro não vê isso, não valoriza e simplesmente desiste...
___________________________________
Um beijo, e obrigada pela visita! :)

sobrefatalismos disse...

Quando estamos apaixonados, perdemos o sentido de algumas coisas, principalmente do controle que sempre tivemos. Perdemos os sentidos, mas não o paladar. Na realidade, os sentidos estão mais aguçados - porém ficados - na pessoa amada.
Abraços.

Raquel Pereira disse...

Amei, já tô seguindo tá?
Se quizer seguir tbm >>www.historiaimperfeita.blogspot.com.br/