28/12/2011

Daquilo que poucos sabem sobre mim...

...sou fraco e bobo por criar expectativas e acreditar no que as pessoas dizem. A conseqüência disso é estar a todo instante me decepcionando com alguém. Minto sorrindo, fingindo que isso não me machuca, e tudo dói ainda mais. O pior é que não se trata de alguém qualquer. Na verdade, é aquele alguém que costuma me chamar de amigo, de me encher de elogios e dizer que me ama. 

Quem ama cuida. Quem ama respeita. Que ama tudo suporta, e foram poucas as vezes que alguém agiu dessa forma comigo. A consequência foi o questionamento da existência ou não do tal amor. Não falo do sentimento entre homem e mulher, que fique bem claro. Mas no amor entre pessoas que se conhecem de longe, das que não se conhecem, das que são próximas ou das que são melhores amigos. 

Sabe aquela pessoa que se doa por completo, em qualquer momento, pra qualquer pessoa? Sou desses. Sou também do tipo de cara que adora ouvir dores, histórias e estórias. O que ganho com tudo isso? 

Solidão. 

Não queria sofrer sozinho, mas só encontro nas palavras o apoio para tal dor. Queria dividi-la com alguém, então concluo que ninguém mais do que eu merece senti-la. Então sofro sozinho, calado, fundando nos meus pensamentos. Quem sabe um dia isso mude e o sol volte a brilhar. Por enquanto, só nuvens negras nascem e cobrem meu céu. Talvez eu só precise ouvir uma frase, quem sabe uma bem simples como o “eu te amo”. A diferença é que preciso sentir emoção e verdade, ou então não passarão de palavras, apenas palavras, pequenas palavras. E tudo volta outra vez.

Não desmereço os amigos que tenho ou os que me deixaram, cada um foi importante do seu modo na minha vida. Eu só queria que fosse diferente. Só diferente. 

5 comentários:

Nati disse...

Eu também gostaria que fosse diferente, menos dor, mais amor. Beijo

Igor Moraes disse...

Agora me identifiquei.

Acho que, nesse aspecto, a única diferença entre nós, é que não confio com facilidade. Muito pelo contrário, tendo a esperar o pior das pessoas, por mais que goste delas (mesmo assim, sempre tem quem surpreende).

Já me fechei há muito. Sei que não é saudável, mas também não é fácil ter que lidar com frustrações subsequentes.

O grande problema é que: o coração que se fecha nunca é ferido, mas morre sozinho.

Anna Oliveira disse...

Me identifiquei² rs
So q esse ano tive uma enooorme decepção c alguém e tô aprendendo a não me doar tanto e a conversar mais sobre minhas dores, não só ouvir. Sabe o q fez eu falar mais? Um texto do Pr Chris Durán, ele fala q se a gnt nao consegue sozinho tem q procurar alguém. Tipo isso, rs.
Fica c Deus, (:

Debbys disse...

uma coisa muito importante que aprendi é que não dá, por mais difícil e até impossível que isso pareça, não podemos deixar que os outros façam nossa felicidade... tem que se arrumar sozinho.. claro que, quando estamos mal, ter alguém pra nos ouvir e falar algo é muito bom, mas se em algum momento lhe falta alguém, pense: eu sou forte, eu enfrento isso, eu posso!
não sei bem porque, mas eu penso assim, pq nem sempre eu tenho alguém do meu lado, pra me escutar.. as vezes as pessoas estão imersas nos seus próprios problemas, pensando nos afazeres de manha, e isso nos parece falta de preocupação, então, pra não sofrer mais, resolvi que, se não há ngn para me amparar naquele momento, vou arrumar uma forma de melhorar sozinha...
não sei se isso pode ajudar, mas é um conselho que pode funcionar. xD
bjus

Eddi disse...

Todos sonhamos ,mas será que realmente na prática fazemos a diferença ?