31/03/2011

O jardineiro e as borboletas


Se imagine em um jardim. Ali abundam os mais diversos tipos de flores: cravos, rosas, violetas, girassóis... Uma mais colorida que a outra. Quem cuida desse jardim é um senhor já de idade, cabelos brancos, costas encurvadas. Esse senhor deu nome a todas as flores e chama cada uma pelo seu nome.

- Essa amarela ali é o Pedro. Aquela verde ali é o João, dizia ele todos os dias lembrando-se de cada uma delas. O curioso é que toda manhã bem cedo várias borboletas saiam de dentro dessas flores, e cada uma delas voava mostrando sua beleza ao jardineiro. Este por sua vez, pegava cada uma delas em sua mão, e, ao tocá-las, automaticamente suas asas mudavam de cor. Como isso podia acontecer? E tem mais! Quando as borboletas mudavam, ele as devolvia para suas respectivas flores e elas cresciam de modo surpreendente, assim, do nada. E logo o jardineiro caia na gargalhada, dizendo: - Mais uma respondida.

Foi aí que a ficha caiu! As flores eram eu e você. As borboletas, as nossas orações. O jardineiro era Deus.

7 comentários:

Thai Nascimento disse...

E às vezes até sem obter a resposta ao que pedimos (ou melhor dizendo, sem obter a resposta como pedimos) a mudança pode acontecer, obra do jardineiro também.

Gostei muito do texto!

Leninha Morais disse...

Que texto lindo!

Em poucos minutos me disse tanta coisa...

Bom fim de semana!

Clara disse...

Ah que bonito esse jardim! Imaginei tudo e a imagem ajudou! Muito bonita a figura que você usou para representar nossa relação com Deus, muito poética.

Saudades daqui! ^^
Abraços!

João Azevedo . disse...

Muito bom teu texto James, e olha que sou crítico viu.

Jéssica Trabuco disse...

Lindo lindo!

Debbys disse...

Nossa.... maravilhosooooooooo!!
amei! ^^

bjus

Cristina Lira disse...

Olá! Tudo bem? Estava navegando pela blogosfera e te encontrei, amei este cantinho...tudo aqui é muito lindo.
Vou ficar por aqui.
Parabens pelo Blog.
Bjos no coração e otima semana pra ti.