22/02/2011

Drama fracassado

O sofrimento, quando incubado, pode alterar drasticamente nossas demais emoções – esse é o argumento central do longa adaptado do livro de Nick McDonell e escrito por Jordan Melamed, “Twelve”; ou pelo menos era pra ser! O filme inicia com as memórias do jovem Mike White, interpetado por Chace Crawford. A morte da mãe ocasionou no garoto uma depressão, o que o levou a abandonar o colegiado e entrar no mundo das drogas. Logo nos primeiros minutos, a impressão é de estar assistindo a mais um episódio da série “Gossip Girl”, não só porque o ator principal teve participação em ambos os trabalhos, mas, também, pela trama se passar em uma espécie de Manhattan, com patricinhas ricas a procura de amor e sexo pelas noites iluminadas da cidade, pessoas viciadas em drogas e com graves oscilações de comportamento. O próprio Mike vivia assim; seu suicídio interno era não colocar pra fora todo o sofrimento que a mãe deixou ao partir. E só! Somente isso! Ele é o ator principal, mas aparece mais como coadjuvante. Em suas cenas, ou ele estar se deleitando sobre a melancolia da perda, ou comercializando droga com alguém.

A fotografia do filme é impecável, nada se pode reclamar. Porém o laço que une os personagens por diversas vezes fica impossível de entender. Em muitos momentos acontece algo que deixou de ser explicado e o diretor não retoma aos pontos principais da trama. O final é que salva um pouco o filme. Uma espécie de “limpeza” acontece e muitas pessoas improváveis morrem. Twelve passou longe de ser um verdadeiro drama e o foi um dos piores filmes que já vi. A sensação de vazio ficou em mim quando acabei de vê-lo, mas confesso que só me decidi assisti-lo por causa do Chace Crawford. Ele está vivendo um bom momento como ator, mas deixou muito a desejar em seu desempenho nesse filme. Mike White e Nate Archibald (personagem de Crawford na série Gossip Girl) vivem praticamente os mesmos dramas e o ator usa da mesma performance para interpretar os dois. Lamentável!

2 comentários:

Allan Penteado disse...

crítico você! kkk

Tiêgo R. Alencar disse...

Uma pena que a direção do filme tenha escolhido um ator de uma série TÃO conhecida pra participar de uma filme que lembrasse tanto a série que o consagrou. Tá que o Chace é lindo e tudo. E eu não duvido do potencial dele. Mas infelizmente tá verde demais. BORA SE DESPRENDER DO NATE, CHACE! Hahahaha

Abraço :) Ótima crítica, como sempre!