08/11/2010

Confissões de um maltrapilho

Os ventos gélidos eram como milhares de facas que penetravam em meu corpo naquele beco escuro. Chutei uma pedra que estava no caminho e sentei no chão molhado. A penumbra era diluída com a luz do cigarro que acendi só pra passar o tempo, na verdade, eu não fumava. Fitei o vazio do lugar e uma única lâmpada iluminava os meus devaneios. Não havia som, nenhuma voz, absolutamente nada. 

Aos poucos aquele estado depressivo ia criando raízes em minha alma e as consequências foram boas. Naquele momento eu sabia que eu não passara de um maltrapilho. Andei diversas vezes por ruas que levavam a lugar nenhum atrás de alguém que me desse amor e atenção. Tentei ser visto pelas pessoas, mas havia um muro invisível que fazia com que as minhas ações não significassem nada pra ninguém. No meu peito só frustração, rancor e ódio por tantas situações mal resolvidas e olhares de reprovação recebidos. Sentia-me sozinho!

Olhei para o céu e uma gota umedeceu o meu rosto. Um sorriso malandro me escapou. Percebi que no final de tudo tinha alguém me observando.

Meu lado introspectivo online novamente. Estava louco pra ter algo a escrever e saiu isso. No fim, Deus nos observa com amor e graça. Louvado seja o nome dele!
Até a próxima postagem povo!

8 comentários:

Lαís Pαmelα :) disse...

Como diz minha mãe: há muito mais entre o céu e a terra que nos olhos são capazes de ver.
Beijos, como sempre seus textos são lindos.
Tô quase largando saúde e indo pra comunicação, não sei o que escolher :/

Lucas Rolim (: disse...

Nouss cara... não esperava por esse final, hehe'
Tomei um susto quando li "Percebi que no final de tudo tinha alguém me observando."

Vc realmente sabe elaborar um texto cara... não quer logo publicar um livroo não:

LucasRolim (:

Clara disse...

É, às vezes essa é a última coisa que lembramos, apesar de ser uma verdade absoluta em todos os momentos de nossa vida, não só os de desepero e derrota.

Não vou dizer que não esperava o fim, afinal seus textos quase sempre falam de Deus.

:) Muito bom!

Hugo Sheikispir disse...

Certa vez, angustiado, perguntei o porque dele me amar tanto, apesar de sempre eu errar no meio do caminho... Olhei pro céu, haviam nuvens que formavam a palavra SIGA, e uma espécie de mão apontando pra palavra... Tipo, guardo essa noite em minha memória, não escreverie em blog, achariam que foi coisa da minha mente... Enfim, belo texto, e obrigado pela visita!

Julia disse...

Uau! Gostei muito do texto. E já está na hora de começarmos a ver também.

Falando mais ou menos nisso, aproveita e assina também a petição sobre fome crônica, quase uma bilhão de pessoas sofrem com isso. Esse assunto precisa de mais atenção. O link tá lá no blog.

bjs :*

Joyce C. disse...

"Deus nos observa com amor e graça. Louvado seja o nome dele!"

Li este trecho com um sorriso. A certeza que Ele olha por mim, me dá força pra caminhar.

Que lindo, James!
Beijos.
Paz!

Obrigada pelo comentário.

Heitor Lima disse...

Nossa, se garantiu, mano. Ficou muito bom, esse texto. Do estilo que eu gosto. Do estilo que nos faz refletir. Glória a Deus por esse seu som.

Sobre o que você me disse em comentário, é tão bom quando a gente vê como que uma confirmação do que estamos querendo postar, né? Não há nada melhor do que abençoar e ser abençoado por isso.
Abraço. :D

Nathy disse...

Sim! Deus não só nos observa como cuida de nós o tempo todo.

Beijos! ;)