06/12/2012

Para que outros possam viver

A hospedeira - Stephenie Meyer 
Intrinseca - 2009 
560 pags. 
Sinopse: Melanie Stryder se recusa a desaparecer. Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo. Quando Melanie, um dos humanos "selvagens" que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Peregrina, a "alma" invasora designada para o corpo de Melanie, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vívidas. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente.

Um triângulo amoroso. Dois corpos. A difícil decisão entre o amor, a razão e a certeza. O que você é capaz de fazer por amor? Vale apena ser humano? O que este corpo, este mundo, esta alma representam, afinal? Estes são alguns dos conflitos descritos brilhantemente por Stephenie Meyer em “A Hospedeira”. Ela nos leva a refletir sobre o propósito de ser humano, de estar vivo, da certeza e dúvidas sobre nossos sentimentos e vontades e, acima de tudo, como se posicionar diante de situações difíceis onde o que determina no final é o amor. 

Inicialmente, com ricas descrições de detalhes, a autora nos leva a povoação da terra por alienígenas - não necessariamente com esse adjetivo –, chamados de almas, seres amáveis que povoam todo o universo penetrando em um corpo vivo tomando posse de sua mente. As descrições longas e ricas em detalhes nos submergem ao mundo das almas, ou melhor, ao novo mundo que elas transformam a terra. Peg, a invasora, divide um mesmo corpo com Mel, sua atual hospedeira. Ambas são perdidamente apaixonadas por Jared, um mero humano com sede de justiça, pronto para enfrentar qualquer situação para ter novamente sua amada em seus braços. 

As almas, apesar de serem indesejadas pelos humanos, trazem consigo a doçura que as pessoas geralmente procuram. São delicadas, se preocupam verdadeiramente umas com as outras (em alguns casos, elas morrem para que outras possam viver), fazem de tudo para serem justas - sempre com o próximo em primeiro plano. A ironia se torna clara quando percebemos que os invasores conseguiram trazer aos humanos aquilo que sempre procuraram. 

 A essência do livro é a descoberta das peculiaridades do ser humano que as almas têm de enfrentar. Lidar com emoções como ódio, tristeza ou qualquer tipo de dor atormenta esses pequenos seres que só desejam a paz. De uma maneira doce a autora faz cada leitor perceber um pouco de si, do seu egoísmo, de como é difícil se doar pelo próximo e, quando o decide fazer, resulta novamente em algo egoísta. Certamente, pelas lições que trazem, essa ficção-científica-romance está mais pra autoajuda, em letras miúdas.

5 comentários:

Desventuras em Série disse...

Sempre tive vontade de ler, mais sempre ouvi boatos maldosos sobre esse livro. Já faz um bom tempo que não tinha visto nada falando sobre ele, e sinceramente pensava que se tratava de algo ligado a sociologia, ou cidadania, de um certo modo sim, mais é bem mais legal agora com essa sinopse. Tó com muita vontade de ler.
Espero encontrar ainda na livraria faz um tempo já que foi lançado, mais mesmo vou procurar.
Até a próxima.
http://desventuras-em.blogspot.com.br/

Lucas Reis disse...

Faz muito tempo que eu li esse livro, mas eu me lembro muito bem que o livro me fez gostar de ser um humano; de sentir orgulho de ser um humano. O mundo visto por uma alienígena me fez dar mais valor ao nosso planeta. Amo ser humano com todos os nossos sentimentos à flor da pele que a Peg não conseguia lidar.
Um abraço, Jota!

Tiêgo R. Alencar disse...

A intenção da Stephenie Meyer foi boa, mas eu infelizmente não me conectei com o livro :/ Bom saber que você apreciou a leitura! Obrigado por isso :))

Abração!

Andressa Pereira disse...

Fiquei com vontade de ler porque descobri que vai sair o filme e sabe como é neh? nunca é a mesma coisa. Então...é bom mesmo o livro, ouço muitas críticas e elogios, vou ter que ler para dar minha opinião também!
Ai Jota, Deus queira que essas provas acabem logo!
Beijos

Bruna Bianconi disse...

Essa semana uma menina do trabalho comentou sobre esse livro comigo, vai pra minha listinha de leituras 2013.
Espero que consiga ler tudo que quero porque esse ano eu li poucos :~