13/11/2012

Masoquismo de amor


“Vamos, recarregue a sua arma e atire em mim! Atire e me mate. É muito mais fácil e menos doloroso do que ver todos os dias outros braços te abraçarem, outros lábios te beijarem e outras mãos segurarem as suas. É bom te ver alegre, com o sorriso que eu sempre amei estampado no rosto. É bom ver que você está seguindo sua vida e sendo feliz outra vez. ‘Outra vez’, digo a mim mesmo, ‘é bom, é muito bom’... Outra vez... 

– Mentira, é a pior coisa que você já fez. Prefiro mil vezes ser jogado em um abismo a ter que presenciar um beijo seu com outro alguém. Prefiro que mil facas me perfurem a ter que sentir novamente teu cheiro doce se tornando amargo nos meus pensamentos. Prefiro ser conduzido pela morte a presenciar o nascimento de um filho seu, que não seja meu...”. 

Quando sai desse devaneio descobri porque te perdi. Egoísta como sou, nunca parei para perguntar como estava se sentindo, se precisava de algo, se estava feliz e segura. Por pensar mais em mim, te perdi. Por não me esforçar para te amar, também não me amei. Até hoje, tantos anos depois, ainda imagino como seria ter simplesmente cuidado mais de você.

8 comentários:

Andressa Pereira disse...

Nhaa, poxa poxa, pensei em alguém que um dia vai estar nesse lugar. Ram ;~
Beijos

Maria Lua disse...

Pelo que li nesse texto, tem alguém muito arrependido e um ótimo escritor!
http://perfeitateen.blogspot.com.br/

Desventuras em Série disse...

Nossa, já passei por isso e passo. A um conformismo hoje mais ainda sinto muito disso. É engraçado e ao mesmo tempo triste saber que não sou único a sentir tbm tudo isso, saber que várias pessoas no mundo também infelizmente se sentem assim por alguém.

Jade Amorim disse...

Esse sentimento de ver quem amamos com outra pessoa é horrível. Dá vontade de abrir o peito e arrancar o coração de dentro.

Felizmente a pessoa que amo e ando sofrendo por me poupa de cenas como essa.

Quanto ao egoísmo citado no final. Perdi a conta de quantos relacionamentos eu vi acabarem assim. De verdade.

Amor é se doar, é se preocupar. Eu pelo menos sou assim quando amo.

Adorei o texto.

Camila Locatelli disse...

Gostei muito do seu, esse sentimento de perca de alguem que se ama e muito difícil, nunca damos valor ao que temos, e só sentimos sua importancia quando o perdemos.

Amanda Souza disse...

Confesso que imaginei alguém me dizendo isso, daqui a um tempo, rs. Sei lá, sabe aquela coisa que você percebe antes mesmo de quem está sentindo?
O amor, infelizmente, é egoísta (não deveria, mas é). Mas até pra ser egoísta, é preciso pensar no outro, assim, como se você e a outra pessoa fossem um só e se ela não está bem, você também não está. Eu penso assim...
Beijinhos

hiperbolismos.blogspot.com

Agatha Nezinho disse...

Gostei de como escreve, seguindo aqui também.

sobrefatalismos disse...

Acredito que o mais válido é pensar em si mesmo. Se a outra pessoa já foi embora, considere como dado o fato de que esta já não mais faz parte da sua vida. Cabeça erguida, meu caro cão sem plumas, apenas siga em frente e faça cada vez melhor da próxima vez.
Abraços.