20/02/2012

Sou evangélico e exijo respeito!

A peça Tortura, que aborda a perseguição e a humilhação sofrida por missionários do mundo inteiro
“João nasceu em um lar cristão protestante e desde criança gostava de falar de Jesus para os amigos, que ouviam atentamente cada história que contava. Ele foi crescendo, fazendo novos amigos e muita coisa mudou: nesse momento de sua vida, nem todos paravam para ouvi-lo, pelo contrário, sua religião passou a ser motivo de chacota na escola e no condomínio. As pessoas não toleravam quando ele falava daquilo que acreditava. A cada dia que passava João se sentia mais solitário no mundo: só existam ele e sua fé...”. 

Histórias como a de João são reais, mas poucos têm conhecimento de episódios como esse. Por quê? Não consigo encontrar uma resposta plausível para esse questionamento, então concluo com absoluta certeza de que os crimes (sim, crime!) contra a religião protestante são insignificantes de mais para serem divulgados.  

Sábado (18) li uma reportagem na revista Trip que informava o crescimento dos crimes homofóbicos no Brasil. Não quero me alongar sobre essa questão, mas também sou a favor da penalização para quem os pratica - desde que seja realmente um crime. Contudo, a reportagem tratou os evangélicos de um modo caricato, como se fossemos os vilões, cujo hobby é maltratar os pobres homossexuais indefesos. 

As novelas da rede globo também hostilizam a figura do protestante. Quem não se lembra da personagem de Juliana Paes na novela América, a dona Creusa? Sim, aquela mulher que saia de casa afirmando ir à igreja, mas era pega dando em cima do primeiro homem que aparecesse dentro do ônibus. Desde que me entendo por gente, jamais vi na mídia um personagem evangélico mostrar a pureza da religião, o ser tolerante e amável como muitos são, pelo contrário. 

Um protestante não é o criminoso que persegue os homossexuais e é intolerante com qualquer outra parcela da população que tem crenças contrárias as suas. Portanto, se não mostram na mídia, a principal configuração do que realmente se passa na sociedade, o verdadeiro protestante, um sujeito com hábitos e verdades como qualquer outro, posso concluir que a tolerância religiosa está longe de existir. Se quiserem respeito, procurem também tratar os demais com respeito. 

Como evangélico, também sofri por causa da religião dentro da universidade da qual estou matriculado (só uma ressalva: estudo na Universidade Federal do Maranhão, uma instituição que prega a tolerância! Irônico, não?). Fui perseguido por um professor somente porque sou evangélico e proferia a minha fé publicamente. Ser homossexual é um direito garantido por lei. A liberdade religiosa e de expressão também. Se nos acusam de ferir os seus direitos, eu também me sinto lesado por ferirem os meus.

23 comentários:

Thamy disse...

Concordo plenamente. Me indigna ver tantas pessoas falando mal de Deus e dos protestantes e me entristeço porque ao contrário de antigamente, já prefiro nem me importar, quando deveria ser o contrário. Mas são os últimos dias e nos devemos nos apegar a fé e fazer as boas obras, porque elas falam mais do que mil palavras. As nossas atitudes é que contam!

Otávio Machado disse...

James, eu entendo o seu lado. Como homossexual, também existe um determinado holofote quanto à nossa personalidade. Quem pensa na palavra "gay" e não vive possuindo esta característica, geralmente pensa em um homem de voz fina, afeminado, dançando de modo semelhante a uma mulher e praticamente nu; pensa em putaria, drogas, doenças.
Eu sou gay, e não faço nada destas coisas. E te garanto, existem muitos outros homossexuais que não as fazem. Existem os que as fazem, sim, e por ser algo que chama mais atenção, é normal que eles tomem as mídias e acabem por serem o ponto de conceito quando a palavra vem a tona.
Acredito, sim, porque já vi muitos evangélicos que são pessoas ótimas, mas também vi estes evangélicos extremistas. Também acho comum que, por estes chamarem mais atenção, acabem sendo os primeiros a serem lembrados.

Uma questão que me chama atenção no seu texto, no entanto, é a frase "Fui perseguido por um professor somente porque sou evangélico e proferia a minha fé publicamente". Não sei o que você quis dizer com "proferir sua fé publicamente", mas eu imagino que seja algo parecido com falar para as pessoas que homossexualidade é algo errado na sua religião, ou num geral.
Aí é que está a diferença. Não sei como VOCÊ vê, mas homossexuais geralmente querem apenas a liberdade de poderem ser quem são como são. Não querem mudar a vida de ninguém mais além da deles, e não podem manifestar isso de modo público senão são mortos, espancados, xingados, etc. O meu problema com religiosos em geral - não só os evangélicos - é que eles não querem mudar a própria vida, mas mudar a vida dos outros. Eu sei que você acredita na sua religião, você tem a sua fé, e acho isso ótimo. Fé é uma característica importantíssima na vida de cada pessoa. Mas não tente mudar as outras por causa do que você acredita. Se foi realmente o que eu imaginei que você quis dizer com "proferir sua fé publicamente", talvez o seu professor tenha se sentido tão perseguido por você quanto você se sentiu por ele.
Existem vidas, aqui, na Terra. E todo mundo só tá procurando ser feliz seguindo a sua do jeito que acha melhor.

Jota disse...

Otávio, quando eu escrevi "proferindo a minha fé publicamente" não fiz alusão a isso que você colocou. Acredite: NUNCA fiz isso. Jamais cheguei a um homossexual dizendo que ele iria pro inferno por ser homossexual, pelo contrário, e quanto a isso tenho minha consciência limpa. O fato é na verdade não poder falar de Jesus no meio de uma aula, por exemplo (claro que com toda a coerência que a discussão está sendo levantada) ou utilizar algum princípio bíblico em minha argumentação. O professor criticava minha religião abertamente e eu não pude me defender naquela aula entende? É isso! Mas o que você colocou é muito válido.

Otávio Machado disse...

Ah, então você pode ignorar daquele parágrafo para baixo de todo o meu comentário. :)

Jota disse...

kkkkkkkkkkkkkkk tranquilo. Obrigado por vir aqui, você é sempre bem vindo \õ

Jota disse...

Também penso assim, mas não devemos nos calar.

Luísa Zanni disse...

Penso que a chave seja não duelar. Tem bem mais a ver com uma noção mais ampla de que cada um tem direito de fazer o que quiser com a própria vida seguindo aquela regrinha que a gente aprende desde os cinco anos de idade: "sua liberdade termina quando a do outro começa".

Balthamos disse...

Já fui evangélico e foi justamente essa fixação por "julgar" e ficar apontando tudo e todos q me afastei. Existem coisas mais importantes nessa vida que ficar se preocupando com os erros dos outros. A melhor coisa q me aconteceu foi sair desse mundinho e conhecer o mundão como ele realmente é. As vezes nem somos culpados pq vivemos segundo aquilo que nos rodeia mas quando a gente analisa de fora percebe muita coisa.

De todas as culturas, de toda a história do mundo, de todas as crenças a única q ainda e sempre causou guerras e conflitos é as que são regidas pelo nome desse Deus de Israel. E pq vc acha q isso acontece? Justamente pelo fato de quem acredita nele querer convencer todo o resto do mundo a acreditar nele também e ser intolerante quanto a diversidade. O que seria do mundo sem a diversidade? Imagina um mundo com todo mundo igual. É muito chato.

Melhor aprender a respeitar os outros antes de julgar e economizar a própria voz antes d alugar o ouvido de alguém pra falar naquilo você acredita. Tenho certeza que se um Macumbeiro ou Wicca tentasse iniciar uma conversa com vc sobre o quão bom é a religião dele você não iria dar nem um dedo de prosa. E tenho certeza q eles não iriam tentar convencer você de nada.

Falo isso pq acho muito chato quando alguém vem falar disso com você e não respeita sua opinião quando diz q não quer ouvir e ainda fica insistindo. E faculdade não é igreja, vá lá pra estudar. Tenho uma grande amiga com quem estudei durante 4 anos e apesar do pai dela ser ministro de música da Igreja Batista ,nunca, NUNQUINHA, durante os 4 anos de estudo ela veio conversar comigo a tentar me ganhar pro time dela. Nem nunca fui à igreja dela mas saiamos e até já fui a um show com ela. Chegamos até a quase namorar durante um tempo. Falo isso pq nem todos os cristãos tem esse vício (sim, vício) de achar q só ele é mais feliz e conhece a verdade de tudo. É muito raro achar um "crente" assim mas existe. Não generalizo.

Esse papo de religião é complicado mas a intolerância e a desrespeito gerado não tem nada a ver com isso e é mais uma falta de Educação da parte da pessoa.

Jota disse...

Desculpe, mas foi exatamente isso que você tentou fazer comigo: me levar a pensar exatamente como você e partilhar da sua crença de que não devemos fazer com que ninguém mude as suas crenças. Sua afirmação é falsa em si mesma. Minha fé vai comigo para onde eu for, inclusive na universidade. Agora perceba: você acabou de me hostilizar porque quero manifestar minha fé onde eu sou livre pra isso. Você me "bulinou". Você é um intolerante.

Eu li todo o seu comentário. Porque você não "ouve" o que eu tenho a dizer também?

Keh*** disse...

Falou e disse!
Concordo com tudo, sabe sou evangelica e tenho muuuitoos amigos gays, não sou eu que saio batendo e escurraçando eles, e não gostaria de ser intitulada como a responsavel!

Bjos***

Anny Diniz disse...

fiquei impressionada com teu texto. também sou evangélica e graças a Deus nunca fui perseguida por esse motivo.
você colocou muito bem o fato de que a mídia - principalmente a globo - fazem chacota dos cristãos. isso e causa muita indignação. indignação essa que você conseguiu colocar mt bem em seu texto. parabéns *-*

http://leideanediniz.blogspot.com :*

Tiêgo R. Alencar disse...

Nossa, James, você foi curto e grosso em suas palavras e eu entendi perfeitamente o que você quis dizer. Você sabe que eu gosto de homens e mesmo assim me trata com o maior respeito e até dizendo que é meu fã! Então não dá mesmo pra entender a galera extremista. Já tive a infelicidade de topar com evangélicos desse tipo e que, ao tomarem conhecimento da minha opção sexual, ou se afastaram ou quiseram me arrastar para suas igrejas e isso eu achei inadmissível - a amizade acabou por ali mesmo. Acima de religiões e tudo o mais, existe o amor e o respeito a serem prezados por todos nós, sem exceções e acredito que nenhuma religião diz tudo sobre você. NENHUMA, digo isso com todas as letras. Conheço evangélicos gays, ateus mais legais do que muitas outras pessoas e espíritas que hoje são praticamente meus melhores amigos. ENFIM, deixando as pessoalidades de lado, sou inteiramente de acordo com a sua posição e com o que você deixou claro no texto. O protestante, até onde eu sei, não seria capaz de praticar atos homofóbicos e isso é mais um motivo pra se orgulhar de ser como você é. A verdade é que, tendo respeito e sendo consciente, as coisas fluem bem. Independente de religião, crença, whatever.

Sorry pelo mini-texto, esse assunto sobre religião feat. homossexualidade me faz falar que nem um retardado, é involuntário, juro. hahahaha Abração! Sambou na cara da sociedade com esse post!

Otávio Machado disse...

É sempre involuntário, Tiêgo, HAUHAUHUAHUAHUA. Esse assunto dá muito o que falar!

Jeniffer Yara disse...

Compartilho da mesma opinião que você James. Sou evangélica, mesmo não parecendo ás vezes,rs Nasci numa igreja, e além de ser protestante, frequentei e frequento ás vezes a igreja mais criticada: Universal. Daí que o julgamento vem em dobro, e eu nem sempre me revolto com eles, por que sei que não vai dar em nada viver rebatendo críticas, mas de vez em quando bate uma revolta e eu expresso isso aos quatro ventos, por que nos dias atuais os julgamentos vem de tudo quanto é canto com os evangélicos por causa da mídia, principalmente, com aquela ideia de que todos julgam homossexuais, e todos os outros que não compartilham das doutrinas protestantes. Isso é um absurdo, e ainda tem a rivalidade da Igreja católica com a Igreja Protestante, isso é tão antigo que ás vezes custo acreditar que ainda exista isso, mas sim, existe essa rivalidade e todo aquele clichê de que pastores roubam,etc.
Enfim, esse assunto não só se resume a ideia de que plantaram na sociedade de que os evangélicos julgam homossexuais, ele se alonga em outros assuntos, e já terminando o meu mini-texto também, também me sinto lesada ás vezes por ferirem meus direitos,não só de frequentar uma igreja evangélica, como do simples fato de acreditar em Deus/Jesus, por que até disso nós que acreditamos, sofremos críticas já que ser ateu virou 'modinha' por que é 'cool'.

Enfim, em poucas palavras você expressou o que sente e admiro seu ponto de vista, por que é verdadeiro.

Beijos!

Bia disse...

Você falou tudo que estava entalado na minha garganta e tenho certeza na de muitos evangélicos por aí. Quantas vezes me olharam torto quando conto que sou envagélica, e ai de mim se reclamar e tentar explicar que cada caso é um fato isolado, como esses roubos de pastores e etc. é aí que começam a me falar que tô me fazendo de vítima.
Anyway, como a própria bíblia diz a igreja seria perseguida, né? E que venham, porque eu estou pronta pra levar minha religião independente se as pessoas irão gostar ou não de mim, se uma pessoa não pode aceitar o fato de eu amar e servir o Senhor não serve pra ser meu amigo, e eu não tô pedindo que sirvam a Deus, só que me respeitem e me aceitem do jeito que sou, porque eu vou continuar levando a palavra de Deus pra onde for. E quanto aos homossexuais, me pergunto como existem pessoas que julgam as outras? Principalmente dentro da igreja onde sempre ouvimos que devemos olhar para nós, nossos pecados e não a vida dos outros. Misericórdia deles, Senhor! Passaria um bom tempo postando pequenas passagens da bíblia que falam sobre o assunto porque eu me empolgo com o assunto, mas aí viraria uma pregação e não um comentário HSDUSDHUSDUSDH Adorei o post, e não gosto desta história de "religião não se discute", afinal de contas isso é liberdade de expressão, não é?
Obrigada por expressar meus sentimentos e de outros milhares tão bem em apenas um post. Beijos! :*

@_carlabresa disse...

Todos os comentários acima falaram tudo o que eu tinha pra dizer. Fiquei tentada a colar esse texto no meu próprio facebook (o link), mas eu acho que não sou tão discriminada por ser cristã, então deixa lá.
Tenho amigos (ótimos) homossexuais e conversas construtivas com colegas da faculdade que param para me ouvir, saber o que eu acho e discordar de mim. Com certeza eu converso com pessoas da macumba e wicca sem problemas. Escuto tudo o que eles têm a dizer e ainda faço perguntas! Hehe Sou curiosa!
Se me chamassem para visitar eu iria, por que não? Acho que o problema é justamente o conflito. Há coisa que são desnecessárias, sabe?
Um amigo meu da faculdade, cristão também, ficava tentando argumentar com o professor sobre o livro de Jó. Cara, é uma coisa que você não entende nem com muitos anos de Bíblia, Deus, igreja, quanto mais os outros colegas leigos na sala ouvindo a discussão. Tenho certeza que isso apenas os confundiu mais. Achei desnecessário e improdutivo.

Ter sabedoria, eis a questão.
Um beijo! ;)

Jade Amorim disse...

Desculpe, Jota, mas sou obrigada a discordar contigo em alguns pontos. Realmente o preconceito é grande para ambos os lados, não sei como que é a sua igreja, mas todos que eu conheço dos evangélicos são drásticos.

Homossexualidade é coisa do demônio, o preconceito é absurdo, já vi perseguirem. Teve uma época que resolvi esperimentar outras religiões, eu juro pra você que sai no meio do culto passando mal.

Falam mais do demônio e do que não pode fazer do que Deus (e eu acho, na minha opinião, que a pregação deve ser exatamente ao contrário), sem contar a pedição de dinheiro "hoje deus está me falando que tem dez pessoas que darão 10 reais hoje!". Eles falaram isso lá.

A religião evangélica remete ao fanatismo (pessoas fanaticas são super mais fáceis de se extorquir), a casa do meu avô tem uma igreja evangélica bem na frente, eu já vi eles fazendo exorcismo, lá.

Eu tinha um amigo que tinha problema do coração, ele foi fazer uma oração pra "pedir pra deus" pra namorar uma garota que ele gostava e que também gostava dele. Ele teve um pesadelo naquela noite, interpretou como uma mensagem negativa, no outro dia ele passou mal, pressão subiu, ele quase morreu, ele foi parar no hospital.

E ai? Eu nem tentei discutir porque pea mim religião não se discute, muito menos com a sua religiao que crê que o que dizem lá é uma verdade absoluta.

Mas perdi um amigo porque falei que religião é algo saudável desde que não deixe ela interferir na sua vida.

Bom, o que eu quero dizer é que entendo a sua indignação, realmente nunca tentaram na tv mostrar um bom evangélico, mas me desculpe, eu não conheço nenhum.

Esse negócio da perseguição, se eu fosse você, processava e saia com uma ~boa indenização, porque isso não se pode de jeito nenhum. :x

Beijos.

Jade Amorim disse...

Ah, quanto ao livro do Zafón, Marina e A Sombra do Vento são maravilhosos, mas são meio caros por causa exatamente do sucesso. Com sorte você consegue marina por 19,90 lá na submarino, e ASV por 39,90. :)

Debbys disse...

Vou te falar, as pessoas que mais cometem crimes, seja contra homossexuais ou heteros, não tem Deus no coração não... Então elas não são evangélicas, nem católicas, nem espíritas nem nada. Podem fingir ser, mas não são. Só que a mídia é assim, ela caricatura mesmo, e generaliza.. E tem os pobres coitados para acreditar no que ela fala...
Vc tem o direito de ser quem quiser, acreditar no que quiser e até fazer o q quiser, desde q isso não prejudica ou machuque os outros, ou seja, respeito! Fico triste em saber q essas coisas acontecem, mas infelizmente é nossa realidade. Tem é q lutar pra acabar com esses preconceitos! Mt bom vc ter exposto isso do blog! Quem sabe ajuda a conscientizar pessoas.. =]
bjss

Debbys disse...

então, teoricamente, a offset digital seria mais barata, já que não seria preciso a produção de uma chapa para cada impressão né! mas depende tbm da tiragem... se forem muitas cópias, na base de mais de mil, offset sai mais barato... xD
é complicadinho ne... bjusss

@_carlabresa disse...

Eita, Jadinha, mulher. Essas igrejas que você foi aí são um tanto doidinhas, hein? Na minha igreja não tem ninguem fazendo exorcismo, ninguém dizendo que homossexualidade é coisa do demônio (que eu acho que pode até ser mesmo em ALGUNS CASOS ISOLADOS) e nem falando que dez pessoas vão dar dez reais! lol
Acho que a minha igreja ta meio paradinha, então. hahaha

Sobre seu amigo que orou e recebeu a "profetada" em sonho: Menina, isso vai de cada um, né? Se tem gente que se impolga loucamente com as respostas (ou supostas respostas) de Deus pras coisas, aí é por que a pessoa ta envolvendo o lado emocional de maneira exagerada. Não vejo como os outros cristãos podem ter culpa nisso assim como não vejo como é culpa de um homossexual caso outra pessoa, também homossexual, tenha problemas psicológicos gravíssimos em função da sua sexualidade.

Cada um é cada um.

Se o seu amigo se afastou de você só por que você tinha uma opinião diversa da dele, vamos combinar que não era tão seu amigo assim ou que não entendeu muito bem a pregação de Jesus, né? Jesus era mol cara manero, andava com todo mundo, comia na casa da galera que ele sabia que estava vivendo de maneira errada... Enfim...

E pare de dizer que não conhece nenhum bom evangélico.
Prazer, Carla! :P

@_carlabresa disse...

Já que ainda não tem post novo, vou colar a minha resposta do teu comentário no meu blog, ta bom? Daí você aparece por lá e eu me lembro de voltar aqui numa próxima oportunidade. Lá vai:

To enrolando ninguém, não, hein? Hahaha A culpa sempre é da mulher, ta vendo? O inglês é comprometido e o suíço é uma enrolada sem tamanho que rende assunto para uma postagem inteirinha!! :P
Se tivesse como escolher um dos dois pra levar pra praia ce acha mesmo que eu ia preferir meu bom e velho vô? Nem, né? HAHAHAHA (coitadooo)

Por nada, moço. Aparecerei por aqui de novo!!
Beijão e hasta luego!

brendanepomuceno disse...

Oi James, tudo bem?
Leio o seu blog há meses mas quase não tenho tempo de comentar. (Estou tentando voltar ao hábito, assim como o de blogar. Haja força!) Adorei o seu post. Cresci sendo super extremista com tudo no meio evangélico, e todos os dias a minha luta é tentar ser equilibrada. O que me entristece mesmo é saber que, por causa de pessoas que são como eu fui, toda e qualquer representação de evangélico é a de intolerante e ignorante. Não acho justo, pelos motivos que você mencionou. Cheguei a um ponto de ter vergonha de dizer que sou "evangélica", dando preferência ao termo "cristã", por causa da conotação super negativa que o termo carrega. É triste, e acho que cabe a cada um de nós tentar mudar essa imagem, pois como seguidores de Jesus temos mais é que sermos as pessoas mais amorosas, mente-abertas e bem-sucedidas da sociedade. Ninguém vai acreditar no que pregamos se não demonstrarmos com as nossas atitudes que nosso Deus é Amor.
Ultimamente, entretanto, tenho me perguntado muito onde é que fica a linha; onde é que acabamos sendo "socialmente corretos" às custas da nossa fé. Se somos intensos, somos "extremistas"; se tentamos nos equilibrar, podemos cair na apatia. Puxa, não é nada fácil, né?
Desculpe pelo comentário logo. É um tema no qual eu penso constantemente, e adoro quando encontro outras pessoas que também tem opiniões a respeito. Continue escrevendo sempre de maneira tão aberta e honesta; sou sua fã!
Beijinhos.