18/12/2011

Eventualidades do "destino"

Da esquerda para a direita: Lucas, Raoní, Juliana, Eu e Raônni. João Paulo estava tirando a foto.

Nunca acreditei em destino, mas com certeza alguns eventos acontecem em nossa vida para deixar uma marca ou nos ensinar algo. Não que eu precisasse refletir sobre o que aconteceu na noite de sábado (eu acho!), mas serviu para eu perceber o quanto existem pessoas precisando da nossa ajuda - aí sim, o “destino” prega uma peça e nos leva a cruzar o caminho delas. 

Era um sábado qualquer na Praça de Fátima, um dos pontos de encontro de jovens, jovens casais, adultos, hippies e idosos. Além disso, a praça é local de passagem devido sua localização, no centro da cidade de Imperatriz, interior do Maranhão. Nessa época do ano o fluxo de pessoas na praça aumenta demasiadamente devido aos eventos natalinos realizados pela prefeitura. 

Escondidos entre tantas pessoas, especificamente do lado esquerdo da praça, ocupando duas mesas e seis cadeiras, um grupo de jovens se distraiam em assuntos que iam desde emagrecimento a discussão que bomba atualmente na internet sobre a “enfermeira-mata-cachorro”. Conversa vai, conversa vem, após comerem seus lanches, todos resolvem fechar a noite em uma soverteria próxima. 

A conversa seguia descontraída em meio a risos e brincadeiras. Quando chegaram à sorveteria descobriram que as moedas recebidas de troco na praça não serviam para comprar nada. Retornaram a praça pelo mesmo caminho e foi aí que o “destino” resolveu se manifestar. 

Um senhor calvo que aparentava 30 anos de idade, estatura mediana, usava roupas em tom pastel. Com uma voz mansa e serena chamou a atenção daqueles jovens. Explicou calmamente que viera de uma cidade próxima e não tinha dinheiro para retornar. Quem mora em Imperatriz sabe que esse discurso é bem comum dos usuários de droga, que se passam por moribundos para conseguir dinheiro. Mas esse senhor não. Não havia cheiro de álcool, nem olhos vermelhos de maconha, nada, nenhum sinal de mentira. 

Todos os jovens retiraram seus trocos do bolso e entregaram ao senhor: 
- Você acredita que Deus pode mudar sua situação? 
- Sim, acredito. – respondeu o senhor com os olhos brilhando de satisfação. 
- A bíblia diz que nenhum justo irá mendigar o pão. Continue sendo justo e Deus proverá tudo o que você precisa para viver. 
- Eu sabia que Deus ia mandar alguém para me ajudar. Obrigado. – sua voz exalava gratidão. 
Foram essas palavras que fizeram aqueles jovens se sentirem escolhidos no meio daquela multidão. E o “destino”? Que ele se encarregue de fazer a noite de outras pessoas felizes, como foi para aqueles jovens.

9 comentários:

Anônimo disse...

Hum, Os verdadeiros cristãos serão conhecidos como discípulos de Cristo, quando amarem uns aos outros! Essa foi uma atitude de Amor! parabéns!

Ricardo Salazar! ;]

Lucaas Rolim disse...

amei doido, sinceramente... por mais que esse comentário seja tão pequeno, saiba que li o texto todo e a única coisa que posso dizer é que amei o post (:

Anônimo disse...

humm...
exercendo a profissão perfeitamente...!

Italo Stauffenberg disse...

jurava que esse de preto fosse tu, james!
experiência boa, né?
bom é vivê-la com intensidade!!
abração.

Missionária Silvia Pimentel disse...

Muito lindo!!!

Heitor Lima disse...

É tão interessante quando coisas aparentemente tão simples mudam o dia de alguém e, por consequência, o nosso :D
Muito bonito, o que você contou aí.
Até mais, mano xD

Pegadas do Coração disse...

As coisas acontecem de modo tão inesperado!
Creio que para tudo há um propósito, principalmente para aqueles que vivem no amor de Deus!

Abração!

Allan Penteado disse...

Muito bom o texto e a atitude claro! que Deus abençoe! Ele sempre dá a oportunidade certa para falarmos dEle, basta estarmos atentos!

Anna Oliveira disse...

Lembrei do ano passado, quando morava em Ribeirão Preto. Alguns sábados a gnt ia pra praça tomar sorvete. E teve um dia q um cara tbm pediu dinhiro, mas ele tava um pouco bêbedo. Daí meu lider falou de Cristo pra ele e tal. Foi legal. (:
A gnt tem q aproveitar cada oportunidade pra falar de Jesus, *-*