22/03/2011

O amor se desgasta sim!


Ficar perto dela às vezes é tão entediante. Aquele olhar que passeava pelo meu corpo revelando o que era de mais belo em mim se perdeu, os lábios já não são mais pintados com batom vermelho-vivo e os seus cabelos não se soltam mais ao vento; hoje eu só tenho dela a tão sem graça perfeição. Quanto mais a conheço, mais percebo o quanto somos parecidos, e isso tem me deixado atordoado ultimamente. Gostamos da mesma banda, da mesma música, do mesmo restaurante, de andar nas ruas, em plena madrugada, contando o número dos blocos de concreto e festejando a liberdade. No começo até que foi divertido; ter alguém que compreende o porquê ouvimos determinado tipo de música ou nos vestimos com determinado tipo de roupa, sem te questionar, é quase como se sentir passeando entre nuvens brancas e sentindo o perfume das flores de uma floresta inglesa. Mas hoje isso se desgastou. Eu não consigo mais encontrar prazer nas noites melancólicas em que sentávamos no quintal e ficávamos apreciando a lua, ou nos dias em que saímos pra andar de skate e ela ficava toda machucada. Não estou jogando pelo ralo nossas lembranças, mas eu preciso de novas aventuras, viver novas experiências, sair pelo mundo procurando algo que meu coração ainda não decifrou o que é, e ela ainda não entendeu que se existe algo que preciso deixar pra trás pra buscar tudo isso, esse algo é ela. Somente ela. Ainda não tive coragem de olhar no fundo dos seus olhos e dizer o que sinto, e nem quero fazer isso. Ser covarde a esse ponto gera em mim expectativas de que essa realidade pode ser mudada, que o prazer pode voltar e a nossa vida juntos pode ser o que era antes; prefiro me apegar a essa esperança, que é do tamanho de um grão de areia, do que machucar essa mulher que tanto me fez bem (e ainda existem pessoas que dizem que todos os homens são cafajestes!). No fundo, eu só queria que ela percebesse que precisa arriscar mais e se preocupar menos, porque eu também preciso disso.
Espero que os seus olhos se abram logo. Ou eu morro.

PS: Clique aqui e vote em mim para melhor blogueiro de 2010

6 comentários:

Leninha Morais disse...

Você contou minha historia sem me pedir?

Rs... Ótimo texto, menino. Pura realidade!

Jéssica Trabuco disse...

Se arriscar mais e se preocupar menos.
Todos nós precisamos disso, senão cairemos na rotina sem graça.

Debbys disse...

O amor de desgasta sim, e acho que, um casal que supera isso e decide voltar a aflorar as coisas realmente é vencedor... às vezes as coisas ficam meio paradas, mas acho que, se sentir bem ao lado daquela pessoa, mesmo que as coisas não sejam tão iguais ao início, é essencial..

bjusss

Tiêgo R. Alencar disse...

Contou a verdade: o amor "acaba". Muitas vezes, ninguém quer admitir que isso acontece, porque é chato, porque é humilhante e blá-blá-blá, mas eu sou super contra empurrar um relacionamento com a barriga por consideração. Se o amor se desgastou, porque continuar?

Muito bom, James! Adorei!

Abraço :)

Juliana disse...

Na nossa própria relação conosco mesmo, já precisamos arricar, numa relação com outra pessoa é mais que importante inovar. Tente conversar com ela sobre isso, de uma forma sutil, se ainda sente alguma coisa por ela, vale a pena o risco.

Beijos.

Thamyres disse...

Nossa! Que texto maravilhoso! Foi você mesmo quem fez?

Li da primeira à última linha e, se tivesse mais, eu leria sem problemas. rs Adorei o tema, a forma como abordou o assunto e o desfecho que deu ao texto.
Fiquei impressionada. Muito bom mesmo, de verdade.

Parabéns!

Thamyres Andrade.