03/01/2011

Lamentação de um presidiário


Somente um espelho separava o meu corpo rígido do seu. Diante do vidro eu podia sentir o calor de suas mãos vibrando nas minhas e o cheiro do seu suor no calor das nossas noites juntos. Lembrava de seu toque, da sua respiração ofegante, do sabor do seu beijo. Como eu queria que você fosse real novamente! Como eu queria estar ao seu lado!

Uma lágrima cai do seu olhar inocente e percorre o seu rosto angelical, gerando uma também no meu. Busco somente um conforto pra isso tudo, mas quando seu sorriso desaparece minha esperança se esvai como a chuva. Eu até gostava dela, mas agora há somente relâmpagos e trovoadas que me deixam apavorados. Hoje não tenho mais a sua companhia nas noites gélidas de outono.

Algemas em minhas mãos. Sinto a dor fluir no seu coração em um grito desesperado. O que fazer se fui injustiçado e agora estou atrás das grades? Ao menos tenho por consolo o seu apoio e compreensão. Obrigado por estar ao meu lado. Um dia eu serei livre e estarei com você novamente.

5 comentários:

Higor disse...

Muito bom mesmo o texto. Parabéns.

Clara disse...

Ah, que horrivel o sentmento de injustiça e de solidão ao mesmo tempo! Uma provação daquelas, tavez um momento propício pra refletir forçadamente... Dá pra achar um lado bom?

:)

Belisa Cardoso disse...

Voçê escreve muito bem,muito romantico e espressivo.
Gostei muito!
bejocas

Juliane S. Rocha disse...

Assim percebe-se as coisas maia importates.
Beijos

Jamylle Carvalho disse...

Lindo o texto. Adorei *-*