20/09/2010

Uma nova vida chamada Daniel

Às vezes eu paro pra pensar: quantas pessoas com histórias de vida incríveis passam por nós nas ruas! Elas são como um livro fechado: simplesmente um objeto. Mas, quando aberto, dá vida e cor a aquilo que cremos ser impossível, como no O Mágico de Oz. Esse fim de semana estive em um retiro espiritual e lá tive a oportunidade de abrir um desses livros e desvendar uma história singular, daquelas que poucas obras contam.

Eram aproximadamente 100 adolescentes no retiro. Entre muitos, um em especial chamou as minhas atenções: ele portava um semblante sério, mas sua personalidade era de uma pessoa brincalhona; tinha idade de um menino, mas sua mente era de um adulto vivido e dono das piadas mais engraçadas. Em meio a tantos contrastes, lá estava ele: Daniel. Seu sobrenome eu não conheço.

Com apenas 17 anos, Daniel já foi usuário de drogas e hoje mora em um centro de recuperação para menores, o PROMIC. Seu corpo é cheio de tatuagens que marcam a sua vida quando era envolvido no mundo das drogas Hoje participa do projeto e tem um coração motivado a se afastar das drogas e viver uma vida nos caminhos de Deus.

Se ele tivesse na minha frente agora, eu diria a ele que se alguém precisasse de uma motivação para continuar a viver era só tê-lo como um espelho. Daniel, além de um exemplo de superação, é alguém onde o amor de Deus é manifestado de tal maneira que todos se cativam quando estão na sua presença. Não é simplesmente a sua história de vida emocionante, mas ele é alguém real, onde o Deus que muitos julgam não existir se faz presente.

Daniel. Um tesouro de Deus perdido no meio do vale de ossos secos!

Esse é o meu 100º post do ano. Queria que fosse algo especial e conhecer o Daniel caiu como uma luva. Espero que não gostem do texto, mas sim a essência que tem nele.
Essa semana tirei o 1º lugar no Blorkutando, fiquei muito feliz. Enfim, até a próxima!

6 comentários:

Jéssica Trabuco disse...

Nossa... é bom quando a gente vê experiências assim.. nos mostra que sempre há um recomeço!

Allan disse...

James tem um rapaz que mora na na rua, aqui na minha rua, o nome dele também é Daniel, mas infelizmente ele não quer saber de Jesus, é uma triste história, mas ele se droga e é pertubado demais, a igreja batista internou ele, só que ele não quis saber e fugiu de lá, há algum tempo sumiu algumas coisas do quintal de casa, inclusive roupas do varal, tenho quase certeza de que foi ele, ele observa muito a minha casa, a vó dele não quis saber dele e largou ele na rua, a senhora não aguentava mais sustentá-lo, ele não quer saber de trabalhar, não quer saber de mudar de vida, é uma história marca por muito sofrimento e teimosia dele, não sei o que fazer, só sei que não gosto de ouvir esse nome.

Thaina Farias disse...

Parabéns pelo blog, pelo texto e por ter sido premiado no Blorkutando, James. Realmente já pude sentir como é estar na presença de pessoas assim como Daniel, é maravilhoso e estar em contato com pessoas assim nos faz refletir, aprender e mudar. Isso é sempre bom.
Sigo a algum tempo seu Blog e o acompanho quase que secretamente, rs. Gosto de seus textos, viu? Beijão, fica com Deus.

Clara disse...

Dar a volta por cima com tão pouca idade realmente é algo de se admirar. Na verdade é um misto de felicidade e tristeza: felicidade por ele, tristeza por perceber que muitos ainda devem estar perdidos no mundo das drogas.

Parabéns pelo 100º
Você veio pra ficar mesmo, neh?

Debbys disse...

Pois gostei dos dois, tanto o texto quanto a essência... muito bom mesmo! exemplos assim deviam existir mais!

bjsss

Ana Seerig disse...

É, há muitas histórias perdidas nas ruas, guardadas por pessoas que não parecem carregá-las. Não apenas drogas, problemas de saúde, com a família, dores que escapam ao físico, lições aprendidas de maneira esclarecedora... É sempre bom ouvir tais histórias, melhor ainda é tirar algo de bom pra si e parar de reclamar das situações que vive...

Belo texto!