04/03/2010

C.I.L.A.D.A.

C.I.L.A.D.A. - Caso Incomum Levado Ao Desespero Angustiante.

Era 31 de dezembro. A cada segundo que passava eu estava mais preso nas amarras de cristal da ansiedade. A família inteira sentada na sala, alguns roendo as unhas, outros tomando café e ainda outros de pé conversando para espantar o strees, marcavam aquele réveillon onde o Brasil parou para assistir ao maior sorteio já feito pela mega sena. Eu estava parado, aflito, segurando em minhas mãos o único bilhete com que eu concorria ao prêmio, solitário bilhete, mas que gerava em mim uma combustão de esperança.

O sorteio começa e o único barulho que se ouve na sala é a voz do silêncio. Meu sangue é uma pequena canoa flutuando em um oceano de lava, meu corpo rígido tinha aspecto febril-extasiado pelos números sorteados que se assemelhavam aos que estavam marcados em meu bilhete.

A última bola, o último número da série estava pra ser sorteado e somente uma casa faltava para eu conseguir o prêmio máximo. O apresentador já tinha nas mãos a bola e gritou: “Número 32”. Faltou o ar. Meu sangue desceu para os pés e meu coração deu sua última batida naquele instante. Quando acordei minutos depois, foi que caiu de verdade a ficha que eu tinha conseguido ganhar todo aquele dinheiro. Gritei de felicidade, recebi abraços, apertos de mão, felicitações. Agora era esperar 4 dias para receber o prêmio. Foram 4 dias sem fome e 3 noites de insônia.

Finalmente chegou o grande dia. Coloquei o bilhete guardado na carteira, fui para a parada e peguei o ônibus rumo a loteria. Ao subir nele, um clima tenso entre os passageiros me fez perceber que o veículo estava sendo assaltado. Tarde de mais para voltar, o motorista já tinha dado a partida. Um objeto gélido encostou-se em minha nuca provocando a única reação que uma pessoa sensata pode fazer nessa hora: levantar as mãos. “Passa a carteira”, berrou o assaltante apertando o gatilho da arma. Antes que eu pudesse pegar nela, aquele sujeito mal encarado enfiou a mão no meu bolso e puxou a carteira de lá. O ônibus parou, o assaltante desceu e dos meus olhos uma enchente de lágrimas despencavam feito cachoeira.

Meu pensamento era um buraco negro perdido no universo. Só conseguia imaginar como seria a vida daquele provável ex-assaltante ao tomar posse daquele pequeno papel, dentro de uma simples carteira velha de couro preto, mas que mudaria completamente a sua vida. Ao menos pude degustar o prato da vitória.

Pauta para: Blorkutando

Já se imaginou numa situação dessas? Eu não! HAHA. Coitado desse cara né? Até me diverti escrevendo esse texto :D
Gente daqui pra frente eu vo frequentar menos aqui - não deixando de responder aos comentários né? rs!
Tempo corrido, terceiro período na faculdade, aula de dança [em nome de Jesus], cursos, ministrações, acapamentos, retiros, enfim... muitas atividades no meu mundo real, que deixa o virtual meio de lado [sem sentir muita falta]
Jamais abandonarei aqui, mas se eu der uma sumida saibam porque! Abraços e é Dourado hoje na liderança. Beijos, Abraços e fuiiiii x3

16 comentários:

A!!ªN disse...

eu também não me imagino não, mais tudo pode acontecer... nesse mudo de "ciladas", onde eu vivo pode até acontecer...
Ah tem algo errado com seu layout-html, não estou conseguindo visualizar direito (ta uma bagunça.
abraço

Tay disse...

uahuahuahauha, não me imaginei ali mais fiquei com uma dó do cara =/
Gostei muito do texto bem criativo.

Andreia Rainha disse...

Nossa, incrivel o texto. Deve ser uma situação horrível, que eu não quero nunca passar. Mas como eu tenho o super-poder de cair na escada quando eu a estou subindo (eu tropeço e vôo uns 3 degrais acima), não tenho tanta cereza disso.
Se você não for pro pôdio do BK vai ser sacanagem!

Nossa, obrigada pelo comentário. Lembro que você também comentou naquele que eu fiz sobre futebol (o bem mixuruco que eu fiz, sabe?) e sei que você não gosta. Realmente, acho que precisa de mais um pedaço de tudo visto pelos olhos da menina. Vou fazer agora!
Obrigada pela dica.

Bjs

Mariah disse...

hey, adorei aqui :D
seus textos são ótimos...

beijos

Julia Piccolo disse...

Sério, esse texto é tudo de bom (ok, na verdade é tudo de ruim, mas acho que tu entendeu)! Muito engraçado e trágico, se fosse eu teria chorado até me acabar.

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Coitadoooooooooooo!!
Ficou com pena desse homi não?
Eu fiquei!

Beijo!

:)

Luan Fernando disse...

Tadinho dele, não sei como me sentiria. rs...
Ainda bem que dinheiro não é tudo, mesmo!
Beijos
Juliane

Déia disse...

kkkkkkkkkkkkkkkk
Isso sim é que é azar!! kkkkkkk

Eu dava tudo, mas engoliria minha carteira a seco kkkkk

bj

TeXuco disse...

huashauhsuhahsa
ô coitado. É uma situação meia..difícl[?]
asuhauhsa
beijos

patyemo disse...

Nooossa tadinho do cara fiquei até com peninha dele...
xD o post.

bju:)

Beatriz. disse...

Eu sei amigo, mas a saudade machuca né? Acho que até demais nesses casos. Dois anos que pura dor! Mas tudo bem, acredito que Deus me dará forças.

Sobre o texto, JEEEESUS! Que pena desse homem, rs. Azarado até demais.

Beijos.

Debbys disse...

Nooooooooooo, prefiro nem imaginar uma coisa dessas acontecendo comigo... acho q iria subir tanta adrenalina q eu iria acabar reagindo ao assalto... e isso não daria certo... =P
bjusss

Tiêgo disse...

Ficou ótimo, James! Desta vez, acho que o pódio no BK é quase certo! Vai lá e arrasa!

Aaaah, não se ausenta por muito tempo, não. Sinto falta das suas postagens quase diárias. Hahaha.

Abraço :)

Ná Lima disse...

Muito legal o texto, deu uma certa raiva pelo cara. Ter a felicidade inteira na carteira e ver ela sendo levada por um assaltante de sonhos, mas foi divertido!

Janaina Barreto disse...

haha
coitado, é por isso que coisas importantes devem ser guardadas dentro da roupa, tipo dinheiro na cueca, entende? rs

Clara disse...

Olá, querido!

kkkkkkkk
Faz lembrar aquele povo que ganhou na loteria recentemente, mas não recebeu o prêmio pq a mulher esqueceu de registrar... Deve ser horrivel, meu Deus! Traumatizante!

*Ahh. É verdade que eu não dei muita atenção (pelo menos não tanta como você, neh? ;D) às figuras de linguagens exigidas, mas elas estão lá, mesmo sem querer... Posso dar um exemplo?

"fui direto encharcando a juba e usei um quilo de condicionador."

Essa frase tem as duas figuras, JUBA que é uma metáfora (comparação implíscita) e UM QUILO DE CONDICIONADOR, que é uma hipérbole (exagero).

Enfim, é verdade que eu não dei destaque a elas, mas acho que é impossivel fazer um texto sem figuras de linguagens...

^^ Obrigada pela observação, de qualquer jeito. Criticas são sempre bem-vindas!