20/01/2010

Pela Janela de um Ônibus

 "Um cão, porque vive, é agudo. O que vive não entorpece. 
O que vive fere.  O homem, porque vive, choca com o que vive.
Viver é ir entre o que vive."
 O cão sem plumas - João Cabral de Melo Neto


17h: 30. Horário de grande movimentação no centro de integração de transporte coletivo. Saímos da universidade e aceleramos o passo com receio de perder o próximo ônibus. Chegamos a tempo de encontrar o veículo literalmente vazio. Após os passos apressados, tivemos que enfrentar a “impaciência” do motorista com os passageiros que entrou no ônibus depois de longos 7 minutos de espera. O ronco do acelerador anunciou a partida rumo ao bairro Santa Rita. Uma grande rota nos aguardava, estávamos ainda no centro da cidade.

Na rua Luís Domingues, próximo ao teatro Ferreira Gullar, sobe no coletivo um senhor já com idade avançada, reclamando dos maus atendimentos sofridos por parte de outros motoristas de ônibus. Ele conta três vezes a mesma história, descrevendo com a voz tremida e inaudível como foi “desprezado” pelo motorista anterior. Seguimos viagem, entre risos e comentários feitos do senhor com o motorista do ônibus, que sempre assentia balançando a cabeça.

A paisagem do centro revelou uma cidade com boa sinalização, porém, mostrava o caos entre os pedestres, que se dividia em múltiplas atividades: estudantes que saiam da escola, trabalhadores regressando as suas casas, lojistas exaustos pela jornada de trabalho. As ruas eram asfaltadas, casas espremidas entre as variadas lojas do local, sem praticamente nenhum vestígio de lixo nas ruas.  Seguimos pela rua Ceará, que aos poucos revelava o contraste entre o centro e o bairro destinado.

Ao fim da rua Ceará, adentramos ao bairro Santa Rita. Descobrimos nesse ponto da cidade o contraste entre duas realidades: Centro e Periferia. Como um dos bairros periféricos mais conhecidos da cidade, o Santa Rita, revelou durante a nossa jornada, a despeito do centro, ruas mal sinalizadas e sem asfalto. Nas calçadas mal feitas, mulheres tomavam seu café da tarde, tranqüilas, em meio ao caos dos veículos que transitavam loucamente por ruas esburacas. O cheiro forte dos riachos poluídos se misturavam ao ar pesado, carregado pelas fumaças expelidas pelos carros e pelo lixo envolta das ruas. Descemos e partimos a pé rumo as nossas residências, perplexos pela comprovação dos contrastes apresentados pela cidade.


Esse texto foi escrito pra uma matéria da minha faculdade - as minhas aulas já começaram ¬¬. Foi da matéria Comunicação e Realidade Brasileira, a melhor do curso até agora. Imperatriz é a cidade onde eu moro e o texto tem como objetivo, observar, pela janela de um ônibus essa viagem é real os contrastes de uma cidade localizada no interior do estado do Maranhão. Agora vou estudar, tenho prova dessa matéria logo mais a tarde. Obrigado pelos comentários do post anterior e pelas críticas tbm. Fico feliz por blogueiros não terem medo de dizer o que pensam! #Bafon: Joseane saiu do #BBB Bem feito

21 comentários:

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Todos os contrastes deste Brasil il il =)

Um PS nada a ver: aqui no ponto de onibus perto da minha casa, onde pego todo dia o mesmo à mesma hora, uma velhinha sempre me aguarda porque se ela faz sinal, o motorista não pára. E como pegamos o mesmo onibus ele é obrigado a parar porque eu faço sinal e pago. Eu acho um absurdo tão grande que devo ter falado isso umas 30192818 de vezes para o dito cujo.

Descaso...

Jaqueline disse...

É muito impressionante como Imperatriz pode ser boa e ruim ao mesmo tempo... Mas isso um dia muda, se Deus quiser o/

Amo a minha cidade.

Sarah' disse...

Com certeza isso é culpa da desigualdade que ocorre no mundo, infelizmente se todos tivéssemos o direito de saneamento básico digno, uma cidade limpa e respeito para com o que trabalha duro para ter o que merece tudo seria diferente.

mas tambem tem a velha historia de que o cidadão tem que cooperar para uma cidade melhor, mas parece que tudo já está um caos e ninguem tem mais a vontade de respeitar ninguém, nem a si próprio!

adorei o texto, bem argumentativo. bjs linda'

Mel disse...

No Rio também é assim, bairros lindos, bem sinalizados, com árvores, parques e praias lindas e quando vamos a outros tudo muda. O que era bonito se transforma de belo para horrível. Um contraste tão grande que assusta. Gostei muito do texto, me senti no ônibus, principalmente pelo senhor reclamando, isso sempre acontece, nunca muda. Ótimo texto, Mel

Bruna Bianconi disse...

Você escreve muito bem, adorei o texto :)
Beijos

Andreia Rainha disse...

Você REALMENTE escreve muito bem.
Aqui em São Paulo também é assim. Moro em um bairro "pobre" mas muito bonito. E as vezes passo perto de favelas e bairros riqussimos. Esse costrates de pessoas émuito legal.

Adoro aqui.

bjs

Ps: obrigada por seguir meu blog.

Yasmin F. disse...

Legalll... vc faz facul de que?
=*

Desirée disse...

Aqui onde eu moro é assim, creio que em muitos lugares é.
Você REALMENTE escreve muito bem +1
Parabéns, estou seguindo teu blog.

patyemo disse...

O mundo tem msm uma desigualdade gritante.

PS:nossa suas aulas já começaram?[triste rsrs]

bju;)

Erica Ferro disse...

Ah! É a diferença que grita, os contrastes de situações.

Você faz jornalismo?

Beijo.

Raah Cullen disse...

Primeiramente quero dar os parabéns pelo seu texto. Tenho certeza que foi bastante elogiado em sua faculdade. Mas gostaria de fazer a mesma pergunta da leitora daqui de cima, você faz jornalismo? É que pensei em fazer também (:
obrigada pela visita,
beejo ;*

Jana Barreto disse...

bem interessante. eu adoro observar os cenários pela janela, comparar, sabe? tnata diferença daqui pralí!
o lay ficou a minha cara... que isso quer dizer? minha cara né lá essas coisas não. rs

Clara disse...

Muuuito legal seu texto... e muito legal ter essa materia na sua faculdade (posso perguntar qual é o curso?).

Me senti num caos... Acho que eu ia ficar muito cansada por andar nessa cidade. ^^

Juliane S. Rocha disse...

Esses são nossos cortiços
e infelizmente não vemos grande preocupação.
Obrigada pela dica de faculdade, pesquisei um pouco sobre ela e gostei muito do que vi.
Beijos
Juliane

TeXucoO disse...

Legal, eu sempre gostei de textos assim, que contam tais momentos sabe? xD

Beijos

Luan Fernando disse...

As cidades são cheios de elementos, alguns curiosos, outros são apenas pequenos e sem valor. Sempre que estou dentro de um onibus sozinho gosto analisar cada imagem que vejo, e pensar que todos temos uma história.

Ps: Legal cara! Vou está aqui com toda a certeza, e aproveitando, vou ler o final do seu conto que ainda não tive a chance de terminar! E já que você me revelou algo tão interessante, vou falar uma novidade minha também, em março estreia o sucessor do Sangue Frio, e vai se chama Scar Tissue, está mais para novela do que para conto, com o avançar dos capítulos você provavelmente vai achar isso também.

Diego disse...

Fala james blz? pow valeu pela visita no meu blog, vim aqui da uma olhadinha no seu blog tambme, bem legal parabens!

OBS: Eu coloquei um plug para me seguir, estou aguardando voce por lá ok?

abraços

Luan Fernando disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anna disse...

pois é. tdb é legal mesmo, principalmente quando voce é publicado - claro! xD
mas é muito texto, muito trabalho e as vezes voce sente sua criatividade meio presa aos temas que nem sempre sao legais.
Tenta entrar esse ano, as inscrições ainda nao começaram.

Ná Lima disse...

É o problema que o Brasil inteiro sofre infelizmente.
Gostei muito do seu blog, vc faz uma critica bem sarcastica que envolve o leitor. Gosto disso.
Vou vir aqui mais vezes!

Jana Barreto disse...

eu prefiro fazer textos rápidos, sem muitos detalhes, uma cena só. até porque eu não consigo fazer mais que isso. eles só vem assim, em partes :)