15/10/2015

Predestinado

O dia já tem começo, meio e fim predestinados antes mesmo que eu me levante da cama. Começa quando vejo as garrafas vazias da noite anterior jogadas no canto da sala, a louça da semana passada suja na pia e as baratas andando livremente pelo apartamento. Aí lembro que já faz dois meses que você se foi sem dar explicações. Partiu, sabe-se lá para onde, sabe-se lá porquê. Levou consigo apenas algumas peças de roupa, o dinheiro que estava guardado na escrivaninha e alguns livros. Vasculhando suas coisas, encontrei um álbum de fotos. Na era do instagram e facebook, quem no mundo ainda faz álbum de fotos? Bom, você fazia, o que me levava a recordar os motivos pelo qual me apaixonei. Ela era simples e gostava de coisas simples. Rosas ao lado da xícara de café da manhã, tapetes limpos na beira da cama, um rádio de pilha tocando MPB. Só havia fotos de nós dois juntos. Abaixo de cada uma, legendas com frases de amor escritas a punho. “Dia de sol, noite de amor”. “Seu sorriso ilumina meu dia, meu bem”. “Teu abraço aquece meu mundo”. Aí me levanto, pego outra garrafa e deito no sofá. Acordo, bebo e adormeço. Acordo novamente, pego mais uma tequila e durmo. Não sei que dia é da semana, nem que cor é o sol. Abandonei o emprego, não liguei mais para minha mãe. Sabia que te amava, só não imaginava que boa parte de mim era você.

4 comentários:

Paulo Rangel disse...

Fantástico. Você escreve com maestria, eu amei o texto. Parabéns!!

Nati disse...

Era muito amor de uma só parte? Tem continuação né? Tem que ter continuação, tá muito lindo, se tiver me avisa. Beijos

kelle disse...

Belíssimo texto, parabéns!

kelle disse...

Belíssimo texto, parabéns!